segunda-feira, 6 de setembro de 2010

NOVELA: O BOFE (1972)

Autoria: Bráulio Pedroso e Lauro César Muniz
Supervisão: Daniel Filho
Direção: Daniel Filho e Lima Duarte
Período de exibição: 17/07/1972 – 23/01/1973
Horário: 22h00
Nº de capítulos: 143

O Bofe era uma comédia que debochava dos conflitos entre a classe média dos subúrbios e a alta sociedade da zona sul do Rio de Janeiro. A novela era repleta de personagens excêntricos, no limite da caricatura, quase todos empenhados em conseguir ascender social e financeiramente de uma forma ou outra, chegando, em vários momentos, a situações que beiravam o absurdo. O tom crítico e sarcástico da história já ficava evidente nas chamadas que iam ao ar antes da estréia: “O Bofe: uma sátira de Bráulio Pedroso ao nosso meio-ambiente, contra a poluição social”.
Entre os protagonistas estão os mecânicos Dorival (Jardel Filho) e Demétrius (Cláudio Marzo). Grandes amigos e parceiros em uma oficina no subúrbio, os dois são perfeitas encarnações da gíria “bofe”: broncos, mal-educados, feiosos e com uma queda para a pilantragem. Dorival se veste impecavelmente com terno e gravata nos finais de semana para impressionar as moças ricas, que tenta conquistar nos seus passeios pela Zona Sul. Acaba se envolvendo e se apaixonando por Guiomar (Betty Faria), uma jovem viúva, também suburbana e tão insegura que precisa usar uma peruca loira para ganhar confiança na hora de procurar emprego. Demétrius, também conhecido como “o grego”, é especialista em reformar carros destruídos para revendê-los como se fossem novos. Esse seu “talento” acaba sendo recompensado quando ele é descoberto por um marchand e se torna famoso como artista plástico.

Essa crítica aos falsos artistas aparece também encarnada no personagem Bandeira (José Wilker), mistura improvável de hippie subversivo e decorador de interiores. Ele arranca dinheiro dos ricos deslumbrados que buscam o que há de mais moderno e “artístico” em decoração, mas não têm discernimento para perceber quando estão sendo enganados. O decorador aplica no apartamento dos clientes o seu peculiar estilo, que consiste em destruir a mobília e pintar toscamente as paredes de preto e branco. Quando não está enrolando os grã-finos, Bandeira ajuda o amigo Maneco (Cláudio Cavalcanti) nas tramas contra a sua tia Carlota (Zilka Salaberry). Maneco é o herdeiro da abastada senhora e, para apressar a morte da tia e botar a mão na herança, tenta todo tipo de sabotagem. Para seu desgosto, Carlota tem sorte e sempre escapa na última hora.

Também circulam pelo universo de O Bofe: a bizarra dona Stanislava (Ziembinski), mãe de Guiomar, que sonha com a chegada de um príncipe-trapezista e fica embriagada quando toma xarope; a macumbeira Gonzaguinha (Heloísa Mafalda); Suzana (Ilka Soares), dublê de socialite e jurada do show de calouros do programa do Chacrinha; e um falso padre (Paulo Gonçalves).


O Bofe era uma tentativa de aproveitar o filão inaugurado por Bráulio Pedroso e Lima Duarte com a novela Beto Rockfeller (1969), na TV Tupi. A dupla foi contratada para reeditar a parceria na TV Globo, mas a novela não obteve resultados de audiência à altura das expectativas da direção, talvez por causa do espírito experimental da trama, que às vezes chegava a extremos de puro improviso. José Wilker, que fazia o papel do hippie Bandeira, conta que nos scripts havia indicações como: “Então Bandeira entra na sala e fala o que quiser”.
Alguns dos planos malucos de Bandeira e Maneco para eliminar Carlota surgiram da cabeça dos próprios atores, como a vez em que a dupla decide ensaboar a escada da casa onde a velhinha morava, com a esperança que ela sofresse uma queda fatal. A cena teve que ser realizada em uma casa de verdade, nos arredores do Jardim Botânico porque o cenário do estúdio era todo feito de madeira.

Bráulio Pedroso precisou se afastar da novela por motivos de saúde e foi substituído pelo estreante Lauro César Muniz. Ele conta que procurou manter o tom irônico do texto, mas encaminhou a novela para uma direção menos fantasiosa, a fim de reforçar a identidade do público com os personagens. Ainda assim, o apelo fantástico prevaleceu no capítulo final, que teve três desfechos diferentes, dando ao telespectador a oportunidade de escolher o seu favorito. A última cena reuniu todos os personagens da novela, vivos e mortos.

Pouco depois da entrada de Lauro César Muniz, José Wilker ficou insatisfeito com as mudanças no perfil do seu personagem e pediu para deixar a novela. Autor e diretores se reuniram para discutir o destino mais coerente para Bandeira e decidiram que o personagem deveria morrer. Em sua última cena, o hippie ouvia, ao pé do ouvido, uma piada contada por Maneco e, literalmente, morria de rir.


Por alguma razão, o nome do ator grego Lajar Muzuris aparece nos créditos de todos os capítulos de O Bofe, embora ele não tenha atuado em uma cena sequer da novela. O ator, que já havia feito sucesso em Assim na Terra Como no Céu (1970), de Dias Gomes, brinca dizendo que Bráulio Pedroso simplesmente se esqueceu dele.

Composta especialmente para a novela, a trilha sonora de O Bofe trazia doze músicas inéditas de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, interpretadas por cantores como Elza Soares (Rainha da Roda), Os Vips (Grego Só) e até o compositor Nelson Motta (Madame Sabe Tudo).


Elenco: Ana Maria Magalhães (Ana), Antônio Pedro (Pedroca), Antônio Vítor (padre), Betty Faria (Guiomar), Betty Saady, Cláudio Cavalcanti (Maneco), Cláudio Marzo (Demétrius), Darlene Glória, Édson França (Bianco), Elizângela (Sandra), Heloísa Mafalda (Gonzaguinha), Ilka Soares (Suzana), Jardel Filho (Dorival), José Lewgoy, José Wilker (Bandeira), Juan Daniel, Márcia Rodrigues, Margarida Rey, Margot Baird (Margot), Marilu Bueno (Marilu), Milton Moraes (Sérgio), Myrian Pires (Clara), Nilson Condé (Caíto), Paulo Gonçalves (Inocêncio), Paulo Ramos, Paulo Vilhaça (Paulo), Renée de Vielmond (Débora), Suzana Vieira (Marilene), Vera Manhães (Martinha), Walter Stuart (Gino), Ziembinski (Tia Stanislava), Zilka Salaberry (Carlota).


CURIOSIDADES

O Bofe foi a primeira e última telenovela dirigida por Lima Duarte na Rede Globo. Já tinha tido a experiência com Toninho on the Rocks (1970), na Tupi. Não fez grande sucesso, tendo a emissora inclusive afastado o autor e o substituído por Lauro César Muniz, que deu seguimento ao absurdo contado, porém usando uma lógica encomendada pelos diretores da emissora.


Inconformado com a saída de Bráulio Pedroso, José Wilker pediu para deixar o elenco da telenovela. Seu personagem "morreu de tanto rir".

Stanislava é a primeira personagem travestida da história da telenovela brasileira. Um homem, Ziembinski, vivia uma velhinha polonesa que se embebedava de xarope e sonhava com um trapezista.

A palavra "bofe" era uma gíria da época e designava mulher feia, sem jeito, desengonçada, mal arrumada - ou seja, exatamente a caracterização de Stanislava. Sinônimo de "bucho", "bagulho".

Há alguns anos o termo "bofe", passou a ser usado pela comunidade gay para designar homem bonito, atraente e másculo. Depois as mulheres também passaram a aderir ao uso do vocábulo no mesmo sentido usado pelos gays.

A trilha sonora da novela foi toda composta pela dupla Roberto Carlos e Erasmo Carlos.
 
 
TRILHA SONORA NACIONAL
01.Fala Dorival - Renata & Flávio (tema de Dorival)
02.Instantes - Jacks Wu
03.Rainha da Roda - Elza Soares
04.Porcelana, Vidro e Louça - Osmar Milito, Luna e Suza
05.Madame Sabe Tudo - Nelson Motta (tema de Stanislava)
06.O Bofe - Osmar Milito e Quarteto Forma (tema de abertura)
07.Perdido no Mundo - Eustáquio Sena
08.Quem Mandou - Djalma Dias
09.Só de Brincadeira - Sandra
10.Moço - Betinho
11.Grego Só - Os Vips (tema de Demétrius)
12.Mapa do Tesouro - Claudio Faissal

 TRILHA SONORA INTERNACIONAL

01.Alone Again (Naturally) - Excelsior
02.Rocket Man (And I Think It's Going To Be a Long, Long Time) - Elton John (tema de Demétrius)
03.Arabian Melody - Pop Concert Orchestra (tema de Stanislava)
04.Baby Let Me Take You - Detroit Emeralds
05.Your Wonderful Sweet Sweet Love - The Supremes (tema de Guiomar)
06.Sweet Concert - Free Sound Orchestra
07.Summer Concert - Alain Patrick
08.Waitin' Line - Spider's Gang
09.I'll Be Here - Jim Sullivan (tema de Dorival)
10.Precious Little Things - The Supremes
11.It's Gonna Take a Miracle - Honey & The Bees
12.Love Song - The Jackson Five
13.MacArthur Park - Dionne Warwick

Nenhum comentário:

Postar um comentário